A colheita da uva em Fogo

 

Ao contrário da Europa, em Cabo Verde, ou melhor, no Fogo, a colheita começa no início de julho e vai até o início de setembro.
O cultivo de durou mais de cem anos, que foi introduzido pelo Português com variedades nativas que se tornaram os dois uvas brancas de vermelho, plantas, protegido por paredes de pedra pequenos de rocha vulcânica, são cobertos com mato, para proteger o vento sopra forte, que muitas vezes dentro do vulcão.
A peculiaridade desta safra está localizado no interior da caldeira do vulcão de mais de 1700 metros acima do nível do mar e não é irrigada, exceto à noite ou a umidade da pouca chuva durante o verão.
Cachos grandes doce coletadas de toda a população e trouxe cestas em suas cabeças (mulheres) ou de burro são vendidos no mercado de São Filipe, enquanto uma grande porcentagem deve ser aumentada para as adegas (“Cha” no interior do vulcão, na aldeia de Portela e “Sodade” fora do vulcão na Achada Grande) para a produção do vinho do Fogo famoso, apreciado por todos os turistas que participam nos restaurantes locais, então cada fabricante mantém uma quantidade de uvas para fazer vinho em casa, o tradicional local o Manecom, para beber com a família ou amigos.
Como para o café, a produção limitada não permite a exportação do produto, a qual deve ser consumido em “nossa terra”.
Cooperação italiana nos últimos anos levou a séculos de experiência que permitiu produtores locais para melhorar um vinho já é bom e começar a nova produção como grappa (destilado de vinho), o vinho de passas e licores de ervas.
Ótimas lembranças para turistas.